TDAH transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Alguma vez já passou pela sua cabeça que seu filho pode ter transtorno de déficit de atenção e hiperatividade porque ele não para quieto? Pois é, isso é mais comum de acontecer do você imagina.

Mas afinal, como diferenciar uma criança agitada, ou como diz o senso comum, cheia de energia, de uma criança com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)?

Bom, para isso precisamos entender o que é o transtorno e alguns de seus aspectos e compreender o que não é TDAH.

O que é TDAH?

É um transtorno do neurodesenvolvimento, associado a causas genéticas que é identificado na infância e é comum acompanhar ao longo da vida. Os sintomas apresentados são desatenção, desorganização, inquietude e impulsividade.

Ou seja, a criança é caracterizada como desatenta ou “avoada”, “vive no mundo da lua” e estão “ligadas na energia elétrica” ou “parece que tem um motorzinho ligado”. Comumente, tem dificuldades na escola, no relacionamento com pais, professores e demais crianças.

Nos adultos, geralmente tem problemas de desatenção em tarefas cotidianas ou no trabalho. Também tem dificuldade em memorizar, se classificam como muito esquecidos. Ainda nos adultos, apresentam com grande frequência outros problemas associados como uso de drogas, álcool, ansiedade e depressão.

Quais os comportamentos que são sinais de alerta?

Alguns comportamentos podem ser sinais de alerta para procurar ajuda profissional:

  • Não consegue manter atenção concentrada em uma tarefa por muito tempo;
  • Não conseguem ficar muito tempo sentadas;
  • Conversam muito e de maneira muito rápida;
  • Não consegue permanecer na mesma atividade;

Tipos de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Nem toda criança apresenta todos os sintomas do TDAH.

Basicamente, ela pode se enquadrar em 3 tipos que pode ser apenas a desatenção, ou seja, ela é quieta, mas não consegue focar em uma atividade. Pode ser apenas hiperativa ou impulsiva, mas conseguir ficar mais tempo trabalhando em alguma atividade. E pode ter os dois combinados, ou seja, hiperativa e desatenta.

Hiperatividade ou impulsividade

Esse é um comportamento que está ligado à velocidade do comportamento da criança a algum estímulo, podendo às vezes ser acompanhado de agressividade nas palavras ou se colocando à frente das situações. Ou seja, primeiro ela faz, depois vem o pensamento ou reflexão do que já fez. Algumas crianças podem até mesmo se machucar bastante por agir sempre impulsivamente.

Este, por sinal, é o sintoma que mais incomoda os pais ou quem lida no cuidado da criança, pois se torna mais difícil cuidar dessa criança que acaba precisando de mais atenção, aumentando o nível de estresse por parte de quem está cuidando.

Desatenção

A criança desatenta não promove a mesma dificuldade para o cuidador que o hiperativo, mas também é motivo de grande preocupação para os pais, pois a falta de atenção começa a gerar prejuízos, principalmente na fase em que a criança começa frequentar a escola.

Pode se refletir até mesmo em brincadeiras com outras crianças e tarefas do dia a dia.

Vale ressaltar a importância de não confundir déficit de atenção com gostos pessoais como não gostar de estudar, não sentir atraída por algum tipo de brincadeira ou comida entre outros.

O déficit de atenção está ligado à dificuldade de se manter em alguma atividade. Geralmente a criança sempre começa a brincar com alguma coisa, mas rapidamente muda para outra, e vai mudando perdendo rapidamente o interesse pela atividade que ela iniciou.

Já podemos imaginar a dificuldade que essa criança apresenta na escola, visto que lá ela precisa ouvir a explicação do professor e aplicar por várias horas as atividades propostas na escola.

Como ajudar uma criança com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade?

Identificado alguns comportamentos que podem ser sinais do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, são de suma importância procurar um psicoterapeuta que orientará para o processo do diagnóstico.

Esse diagnóstico é feito por uma equipe multidisciplinar que, através da observação dos comportamentos da criança, irá pontuar e conduzir à melhor estratégia de terapia.

 Dependendo do grau de comprometimento social que for diagnosticado, o tratamento com medicamentos pode ser recomendado para auxiliar no tratamento.

Organização

Uma rotina organizada é de suma importância para que a criança possa se orientar melhor o que ela precisa fazer nas tarefas diárias. Como a criança tende a esquecer e mudar de atividade, quando ela tem uma rotina bem estabelecida fica mais fácil ela saber o que ela deveria estar fazendo o que ela vai fazer depois da tarefa atual.

Uma ótima ferramenta (que eu gosto muito por sinal) é a utilização de um mural de tarefas com figuras fixadas em algum lugar de fácil acesso à criança.

Dar feedback

Dar feedback à criança de alguma atividade que ela conseguiu fazer da forma esperada. Elogie, dê os parabéns a ela e faça com que ela perceba que você prestou atenção nela. Quando ela recebe esse reforço, ela vai querer prestar mais atenção da próxima vez e ter interesse em realizar a atividade.

Dê instruções curtas

Não adianta dar várias tarefas ao mesmo tempo para a criança achando que ela irá executar todas elas. Tente fracionar e ir reforçando cada tarefa feita. Aqui vale também a qualidade da informação que você dá à criança, sendo mais objetivo. Por exemplo, ao invés de dizer para a criança: “não suba aí porque você vai cair e se machucar”, diga o comando de forma mais simples: “desça daí”.

Organização do ambiente

Colocar a criança em local com menos estímulos em atividades que exija atenção concentrada. Como exemplo, não colocar a criança perto de janelas ou porta na sala de aula, não colocar perto da televisão ou de outras crianças brincando em casa na hora de fazer as lições de casa, entre outros.

Como a criança já tem dificuldade com a atenção, aqui vale eliminar ao máximo os estímulos que podem facilmente dispersar a atenção da criança.

Atividades prazerosas

Promover atividades prazerosas como brincadeiras ou esportes que necessitem de trabalhar a atenção concentrada. Nesse ponto aqui o esporte é de grande ajuda, pois nas atividades promovidas, a criança precisará cada vez mais praticar a atenção concentrada para melhorar as habilidades necessárias para o desenvolvimento das tarefas. Se for prazeroso como em algum esporte ou em alguma brincadeira, ficará mais fácil a criança praticar a atenção e disciplina necessária para ter êxito nessas atividades.

Vou deixar aqui um link para você baixar gratuitamente um material da “Escolinha Especial“. Você pode baixar, imprimir e começar a trabalhar a atenção concentrada com seu filho hoje mesmo!

Gosto de ressaltar que essas dicas são fundamentais para pais e professores que lidam diariamente com crianças e adolescentes com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Mas não substituem uma avaliação e orientação do profissional, que avalia individualmente cada caso, a necessidade subjetiva da sua criança.

Um comentário sobre “Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

  1. O TDAH acaba se tornando complexo pois pode se confundir com vários outros transtornos. Eu mesmo me considero muito desatento, mas estou longe de ser hiperativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *