Autismo na Turma da Mônica

Autismo na Turma da Mônica

O Podcast#98 do Blog Introvertendo.com.br entrevista Maurício Souza sobre o personagem Andre nas histórias abordando autismo na Turma da Mônica.

Maurício de Souza é o criador da Turma da Mônica e creio que dispensa apresentações.

Seu trabalho influenciou gerações até hoje continua nos cativando com histórias e personagem que marcaram nossas vidas.

Nesse Podcast ele fala sobre André, um personagem com autismo que nasceu da necessidade que o escritor viu em inserir o tema inclusão no roteiro das histórias. Tiago Abreu, jornalista do Introvertendo que entrevista Maurício, salienta que Maurício é um dos primeiros escritores de renome que insere o tema inclusão social antes mesmo dos debates virem à tona na mídia brasileira.

O autor disse que usava de inspiração a própria infância, mas percebeu que nas histórias sentia um um vazio, que eram as crianças que tinham necessidades especiais que fizeram parte infância dele. Então foi necessário estudar sobre inclusão (ele tem outros personagens com necessidades especiais) e inseri-los para completar como é a infância realmente, representando a infância de todos as pessoas.

Nas histórias que a mídia nos vende, é muito difícil encontrar ambientes que promovam a inclusão de forma construtiva. Observamos que os personagens principais têm características de um biotipo projetado para vender, ou seja, um tipo restrito de forma física. Quando existem inserção de pessoas que tenham algum tipo de dificuldade, serve para contracenar com o problema que o personagem principal precisa ajudar a resolver.

Como observado por Maurício Souza, nossa infância é marcada por pessoas com necessidades especiais. Isso inevitavelmente acontecerá na família, na escola ou nos outros locais sociais, e tentar representar histórias infantis sem incluir pessoas com necessidades especiais como o caso do personagem André com Autismo, é no mínimo se afastar da realidade.

Inclusão social nas escolas

Hoje, com o debate do tema inclusão bem em alta nas mídias sociais, vemos muitas histórias como a de André, mas estamos longe de conseguir deixar nossas crianças preparadas para o que vão encontrar na escola. Observo que ainda existem poucas fontes que servem como fonte de instrução para facilitar a compreensão da criança como assimilar e conviver bem com a diversidade.

Para uma criança com autismo, a compreensão de quem ela convive pode facilitar muito a adaptação e interação social que é o que eles tem maior dificuldade. Na inserção do tema Autismo na Turma da Mônica vemos bem esse cenário. Maurício insere o tema de forma divertida nas histórias e as crianças conseguem aprender sobre os comportamentos e preferências de crianças com TEA. Dessa forma fica muito mais fácil a integração dessa criança, visto que não será uma total descoberta quando uma criança típica se relacionar com uma criança com TEA.

Nas histórias de André, vemos a mãe dele explicando para os amiguinhos que ele pode preferir ficar vendo TV em uma festa, e seus amigos explicam melhor o contexto das brincadeiras sabendo das dificuldades que ele tem.

A identificação da criança com TEA com personagens da turma da mônica

Maurício disse que uma das pessoas que ajudaram ativamente com a inserção do tema nas histórias foi Francisco Paiva Junior. Francisco é editor chefe da revista Autismo, ele observou a participação de autistas nos roteiros das histórias e Maurício responde que ele sabia que autistas desenham muito bem, então se desenham muito bem podem escrever muito bem também, e isso abriu um universo de possibilidades.

Maurício destaca que os autistas estão saindo do anonimato e estão se comunicando e isso vai só aumentar com as conquistas do seu espaço. Ele observa que muitos autistas se identificam com os personagens da Turma da Mônica e alguns até adotam a maneira de se comunicar desse personagem, ajudando no processo de aprendizado.

Ele relata o caso de uma criança de 6 a 7 anos que começou a ver o Chico Bento nas histórias em quadrinhos e gostou tanto que se vestia e falava igual ao Chico Bento e aí começou a se comunicar com os pais. Depois de um tempo ele foi se libertando do Chico Bento e continuou o processo de aprendizado de comunicação. Depois de jovem, o menino lembra da história, conversa a respeito e graças à comunicação desenvolvida se relaciona socialmente.

Por fim, Maurício diz que “a criançada no mundo inteiro merece ter a turma da Mônica, merece nossos personagens e ter as mensagens que colocamos nos nossos produtos. Mensagens morais, comportamentais, de toda maneira.” Ele ressalta ainda que ama o faz, que nasceu para isso e que pelo visto, seus funcionários, artistas também estão lá para isso.

Ouça o Podcast na íntegra divulgado no blog Introvertendo – Autismo na Turma da Mônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *